Com todo respeito à oposição

Fico aqui pensando o que leva homens, mulheres e crianças a sonharem tanto. Muitas destas pessoas tentam a todo custo a conquista de um troféu ou medalha nesta competição acirrada que é a vida. Muitos de nós da situação ficamos sem entender de onde vem tanto fervor em busca da gloria. A alucinação desenfreada coloca veículos de comunicação e pessoas apostas para o que der e vier, mesmo sabendo do grande grau de dificuldades econômicas, culturais e tecnológicas. O sonho de manter ativo, torcer contra o vento, enfrentar tempestades de gols, gritarem, manipular letras, papeis e microfones, criar e manter grandes ilusões de competições geladas sem relação alguma com as características esportivas. Mas temos que reconhecer que para sermos os primeiros, haverá os segundos, os terceiros, enfim o resto da fila. Uma rivalidade que muitas vezes vem gerando lesões corporais e até autópsias. Essa semente é mantida viva a quatro cantos à custa de uma utopia, fazendo uma verdadeira lavagem cerebral a milhares de seguidores fieis a um sonho. Com todo respeito à oposição, mas para conquistar os triunfos, é preciso organização, projetos, trabalho, mídia construtiva e acima de tudo, uma boa arvore genealógica. Nem todos podem ser artistas, nem todos podem ser craques e com todo respeito à oposição, nem todos podem ser o Cruzeiro.

Excelente texto do craque das letras e das lentes Robson Tovarishhttp://robsontovarish.blogspot.com/

Anúncios

31 Respostas to “Com todo respeito à oposição”

  1. GUTO Says:

    Cara !!! você tem que escrver mais por aqui, prabéns pelo belo texto.

  2. Torcida Azul Says:

    Um exemplo marcante:

    Cruzeiro campeão da Supercopa 1992, após vencer o River Plate na final. Na semana seguinte, perde o clássico citadíno. Capa do Diário da Tarde no dia seguinte: Galo Hiper-Campeão.

    Hiper-campeão, campeão do gelo, time de povão, time de massa, etc, etc, etc… haja criatividade para tanta invenção!

    Esse campeonato de gelo foi 100% criação da imprensa mineira. O time do Atlético foi disputar jogos amistosos na Europa, 5 anos após o fim da segunda guerra mundial. Mal tinham se reestruturados os times e estádios. Alguns empates e vitórias em amistosos durante o inverno europeu, e a imprensa mineira não vacilou: são os campeões do gelo. Campeões em amistosos? Nem torneio era. Foram menos de 10 jogos isolados.

    Nota: Na supercopa só jogavam times que foram campeões da Libertadores.

  3. Andre Ponte Preta Says:

    É provável que esta minha opinião não agrade a ninguém neste espaço. Entretanto, após ler o texto de autoria de Robson Tovarish, eu sinceramente decidi opinar, em tom de desistência.

    O texto é composto por eufemismos que remetem ao rival histórico do time do autor. Até aqui, não há surpresa alguma no teor do mesmo, afinal este é um espaço cruzeirense. Eu, atleticano que sou, mas acima disso desportista que sou, não me incomodo com tais citações, ou cognomes, coisa que o valha. Mas este texto me desperta sentimento de tristeza, não pelo conteúdo achincalhador contra o sentimento do torcedor atleticano, mas pelo sentimento de que, mesmo tentando, pregar a paz e lutar por ela parecem objetivos cada vez mais distantes, menos efetivos.

    Digo isso porque o texto induz a ideia de que a injustificada preferência pelo clube alvinegro justificaria a existência de lesões corporais e autópsias. Ora, sabemos que não é torcer para um clube ou para outro que transforma o indivíduo em um monstro. A história nos mostra uma série de assassinos seriais e políticos corruptos que, guardadas as devidas proporções, não tem qualquer valor para uma sociedade civilizada. Mas que são o que são, INDEPENDENTE do time que torcem.

    Torcer para este ou para aquele time não é uma questão de lavagem cerebral. Simplesmente é algo que não se explica. A insinuação de que torcer para um time de futebol é resultado de lavagem cerebral e, ainda pior, insinuar que a preferência por este time alimenta a selvageria que resulta em crimes, é no mínimo uma demonstração infeliz de preconceito. Sou um atleticano amigo de meus amigos, independente do time que torcem. Sou bom membro de minha sociedade e de minha família, independente da preferência por times de futebol. Generalizar tais insinuações é absolutamente dispensável, num momento em que este espaço busca justamente a igualdade. Ninguém se torna pior do que é por ser atleticano, ou por torcer para um time que não vence grandes campeonatos. Não somos os debilitados mentais que o texto sugere, ou mera massa de manobra da imprensa supostamente alvinegra. Somos torcedores, e somente isso.

    Eu já havia dito antes, e repito: para ser atleticano, não ha a menor necessidade de ser contra os cruzeirenses. Não é necessário ser inimigo de ninguém, ou declarar publicamente a insanidade de ninguém. Basta ser atleticano. E nesse caso, a recíproca é absolutamente verdadeira.

    Concordo com o Robson, quando diz que nem todos podem ser o Cruzeiro, até porque nem todos querem ser o Cruzeiro. Também, nem todos poderão ser Santos de Pelé, Flamengo de Zico, Palmeiras de Ademir, Botafogo de Garrincha, ou Cruzeiro de meu amigo Dirceu. Mas, se para ser Cruzeiro, o indivíduo tiver que acreditar na necessidade de uma árvore genealógica privilegiada, lamentavelmente o indivíduo estará também propenso a acreditar em ideais que dizem que há pessoas melhores que outras pessoas. Primeiro, por árvores genealógicas, e depois? Cor da pele? Credo? Posição social?

    Considero que Robson tem bom domínio das palavras, mas foi infeliz neste texto. Não me considero melhor nem pior que ninguém, e tenho orgulho de minha árvore genealógica, composta de pessoas humildes e trabalhadoras. Mesmo que não o fosse, eu ainda teria meu norte maior: ser um homem de bom caráter, que prefere a paz em vez do preconceito.

    • Robson Tovarish Says:

      Prezado Senhor André Ponte Preta.

      Em momento algum o texto foi encaminhado para o lado difamatório e discriminativo, até porque convivo em uma sociedade com vários atleticanos conscientes e inconscientes e me sai bem até agora, isso já faz 55 anos.

      Mas, parece que o senhor se acha injustiçado, descriminado, ferido e triste. Então vou detalhar com mais ênfase o texto descrito pelo senhor, como, eufemismos, cognomes (traduzindo), apelidos, rodeios, alcunha etc.

      Há de convir comigo que os marqueteiros do esporte vêm a mais de 35 anos contaminando a sociedade com Cases de mídia que levam os torcedores a uma viagem fantasiosas, campeão do gelo, A torcida que enfrenta o vento, etc. É disso que fala o texto.

      O senhor se lembra, quantos torcedores Cruzeirenses e Atleticanos fracos ou fortes espiritualmente, tombaram enrolados nos seu pavilhões e foram às vias de fato (lesões), uns ainda estão aí, outros foram para a arquibancada de cima (autópsias). E todos tinham famílias eram trabalhadores e seguidores de sonhos, com todo respeito se perderam no desejo fã e utópico. É dessa violência que o texto reproduz.

      Qual marca de camisa o senhor usa? Que marca de tênis tem costume de comprar? Qual refrigerante tem ingerido? Qual é a sua opinião hoje? É disso, senhor André, que fala o texto. Dessa mídia que faz SIM uma verdadeira lavagem cerebral no cotidiano das pessoas. Pregam e colocam goela adentro sabores, produtos e textos fabricados em prol de sonhos, fantasias e projetos utópicos. O senhor não provou ainda! Está imune a tudo ao seu redor, isso não te afeta? Ver seus irmãos serem esmagados pela mídia opressora, serem levados a acreditarem em projetos impossíveis. Ou isso é discriminação? Essa é a realidade que o senhor, eu e nós vivemos no dia-a-dia. Não é EUFEMISMO é a realidade.

      O senhor é Atleticano e eu Cruzeirense, uma honra para nós, e não é manobra da imprensa, é por pura paixão. Basta isso. E com certeza não nos tornaremos monstros e somos realmente iguais em grau, número e gênero. Para darmos as mãos em busca do consenso, como manda toda à estrutura de nossas arvores genealógicas, respeito a sua opinião, porem os meus conceitos em relação aos fabricantes de sonhos continuam os mesmos. Tentam emplacar psicologicamente suas filosofias não se importando se as pessoas são humildes, trabalhadoras, Cruzeirenses, Atleticanos ou Andrés, de bom caráter por mais privilegiados que sejam.

      • Andre Ponte Preta Says:

        Robson,

        Sua argumentação em torno do texto original é pertinente, e posso atestar o valor da mesma.

        Entretanto, observo que ela ganha ainda mais importância ao corrigir infelicidades cometidas no texto anterior, e é nisso que lhe reside o mérito. Seu texto original não trouxe, em qualquer momento, menção a torcedores de todas as torcidas, vitimados pelo poder nocivo da imprensa. Ele trouxe um emaranhado de citações acerca dos propagados ideais da torcida atleticana, mesmo aqueles que não tem qualquer valor além do sentimental, como o tal “título” de campeão do gelo (como se daqueles amistosos dependesse a paz mundial… sim, meu caro: eu também não vejo nesse “título” qualquer valor, a não ser o de fazer parte do hino).

        A torcida do Atlético enfrenta o vento desde que alguém criou essa expressão supostamente poética. Novamente tocamos um ponto no qual eu não vejo a coerência que permeou sua resposta. Afinal, se a torcida alvinegra o faz movida por uma imprensa nefasta e uma mídia de igual valor, o que motivará torcedores de equipes da quarta divisão brasileira, ou nem isso? Sem qualquer aditivo midiático, o que faz com que pessoas torçam para equipes que não demonstram qualquer possibilidade de sucesso real? Que mídia motivará os torcedores do MotoClube, ou do ColoColo baiano? Este é o ponto.

        Ilusões de competições geladas, tempestades de gols, vento e tudo mais… são sim eufemismos dirigidos ao torcedor alvinegro. Isso é normal, esperado, principalmente aqui, num espaço eminentemente cruzeirense. Seu texto original não foi feliz justamente ao reputar tudo isso não somente a uma mídia permeada de interesses, que bem conhecemos, mas a possibilidade de uma árvore genealógica de valor superior, um prisma que já fomentou movimentos históricos que seus respeitáveis anos de vida já se encarregaram de lhe mostrar.

        Os comentários tecidos a partir de seu texto original mostram que não estou tão distante do que citei. Mas não é o que vem ao caso. É importante dizer que seus esclarecimentos são extremamente válidos, e trazem luz aos pontos em que ela não houve em quantidade suficiente. A exceção de um ponto em que eu discordo visceralmente: não me sinto injustiçado, discriminado, ferido ou triste. Só acho que seu extremo talento ao escrever não pode nem deve jamais deixar margem a interpretações errôneas, e por isso deve ser sempre claro, coerente, a altura da pessoa que você certamente é. Para escrever de forma a permitir interpretações tendenciosas, já existe uma mídia contra a qual você também empenha seus esforços, afinal.

      • Robson Tovarish Says:

        Prezado senhor André, para não virar polémica, a que este espaço não se propõe, prefiro concordar com o senhor.

  4. dudu Says:

    eu tô puto com os narradores e comentaristas do PPV ( os atleticanos Rogério Corrêa e Bob Faria e um tal de Maurício Noriega que importaram de São Paulo ), os caras não viram ou não quiseram ver a brutalidade do Bolívar no Gérson Magrão ( um coice acima do joelho ), não viram falta no lance do Sandro no Wágner ( contra-ataque ) que, apesar do Juíz não ter dado nem falta, seria caso de cartão amarelo ( no caso o 2.º e consequentemente a expusão ), e no lance do Fábio ninguém conseguiu enxergar que ele pegou primeiro a bola e estava com as pernas encolhidas ( futebol sempre vai existir contato, dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ), ou seja, não demonstraram nenhuma imparcialidade ou profissionalismo! e hje à 9:30 hs, num programa do sportv, a turma praticamente isentou o Lauro pelo seu coice de mula e crucificaram o Kléber! ora, todo mundo sabe, ou deveria saber que, todo jogador de futebol provoca ( não que seja certo ), mas daí, chutar um colega de profissão? não dá prá colocar na balança, ou seja, hoje estou azedo, se não bastasse o fraco futebol praticado pelo cruzeiro, ter que aguentar um juíz daquele e ainda e ainda esta porcaria de imprensa! só vou continuar como assinante do PFC por causa de meu amor pelo cruzeiro! mas eu tô de saco cheio desse bando de ……..

  5. ACS Says:

    Fui ao mineirão ontem e achei o Kleber muito doidão, alguem já parou para pensar que ele não queria enfrentar o Palmeiras ?

  6. Max fox blue Says:

    Infelizmente, isso não é novidade nenhuma, Dudu.
    Pois a mídia segundina, que muitos pensam ter fortes adeptos apenas na atletiaia, tem inúmeros seguidores na poderosa. E tem mais, Bob Faria e Rogério Correia, dois atleticanos confessos, sempre procuram prejudicar o Cruzeiro, e o Noriega e o programa das malas do Redação Sportv representam o eixo do mal (RJ/SP). Como o Cruzeiro está na iminência de eliminar um paulista da Libertadores, estão tentando desestabilizar o Maior e Melhor de Minas. Simples assim. Mas não é por acaso que o Cruzeiro sempre supera todas as adversidades, tanto internas (MG) quanto externas (eixo e o resto), vide as finais de Copa do Brasil (adversários como Grêmio, Flamengo, São Paulo e Palmeiras) sentiram a nossa força e até o poderoso Santos de Pelé e Cia., com direito a goleada. Contra tudo e contra todos, Cruzeiro, sempre!

  7. Marconi Marques Parreiras Says:

    Bom dia, amigos vencedores.
    Venho aqui manifestar mais uma vez minha indignação, olha só o que o grupo dos associados está fazendo quanto à expulsão do Kleber, estão distorcendo tudo, fazendo com que o Gladiador pense realmente em deixar o Brasil e o nosso CRUZEIRO, vamos lá galera, vamos manifestar de todas as formas possíveis contra isso, mandem email para esses “associados” (associados do time perdedor de Minas), mandem cartas, liguem, façam o que puderem, mas façam.
    Não vamos permitir essa covardia que estão fazendo.
    Alguém acha que se fosse o time sofredor de Minas, fariam isso?
    Se fosse time do eixo Rio- São Paulo, a imprensa de lá agiria assim?
    CRUZEIRO, respeito já.

    Um abraço.

    Marconi.

    • ACS Says:

      É ISSO AÍ MARCONI, NÃO VAMOS PERMITIR ESTA COVARDIA.

    • Felix Says:

      Eu não assisto a esse canalzinho de m…, mas, pelo que fiquei sabendo, eles estão reprisando com veemência o lance onde o Kleber parece pisar no goleiro do Inter. Lembrem-se dos bicudos que os galináceos Marcos e W. Felipe deram no último clássico e vejam se o tratamento foi o mesmo. Discordo quanto a enviar mensagens, protestos ou coisa parecida. Parem de ver, de ouvir e de ler. Dói muito mais.

      • Hugo Pegoraro Serelo Says:

        Acredite, Félix, protestar é o meio mais eficiente. Parar de ver (como eu tenho feito) não surte tanto resultado imediato. Até porque não há medidores de audiência. Pressionar é a melhor maneira, mas tem que ser feito com educação e inteligência. Abç, irmão.

  8. Robson Tovarish Says:

    Trocando em miúdos

    Futebol a paixão que mexe com as pessoas. Mexe e afloram as pulsações a ponto das pessoas se entregarem e descuidarem da mais pura essência dos seres humanos, a consciência, o livre arbítrio, o ir e vir. Respiramos o fator RH do futebol as quartas, sábados e domingos. O gol é o alvo, o alicerce de vários projetos, mas antes vem a comunicação e seus vírus, contaminando os HDs cerebrais.

    O cavalo de tróia da mídia espalha arquivos fisiológicos para todo lado. É um tempo em que há muito na vitrine e nada no estoque; um tempo em que a tecnologia pode levar-lhe estas palavras e você pode escolher entre fazer alguma diferença, ou simplesmente apertar a tecla Del.

  9. Antonio Ferreira Says:

    Meu Deus, é nessas horas que tenho vergonha em ser Cruzeirense… mesmo tendo um time melhor, uma historia de gloria em relacao aos patéticos voces ainda ficam chorando?
    Façam um blog pra incentivar a torcida, quem sabe ela vai mais ao estádio?
    Foi vexamoso nosso público no mineiro…

    • Hugo Pegoraro Serelo Says:

      1- Ser cruzeirense é teu sonho. Você não é torcedor do Cruzeiro. E se entregou se referindo aos torcedores como “vocês”.

      2- Blogs pra debater as coisas do time existem e isso se debate nesses locais aproriados.

      3- O público do Cruzeiro foi muito bom. O 2º maior da rodada! E teu time, hein? Ingresso de R$2,00 e meia de R$1,00… Que dureza…

      • Andre Ponte Preta Says:

        Salve, Hugo!
        Olha aí mais um torcedor chamando o meu time de Patético. Isso, só porque rima com Atlético. Nessas horas eu agradeço a Deus por não torcer pro Bangu!
        De qualquer forma, você tem razão na questão do público do seu jogo. O torcedor tá sendo forçado a escolher entre brasileirão e Libertadores, não dá pra encher estádio todo dia.

        Agora, o cara é cruzeirense. O “vocês” que ele cita são os autores do blog.

      • Antonio Ferreira Says:

        Sou cruzeirense… vou em todos os jogos, tirando os das 19:30 porque trabalho até as 19:00…

        Bem, colocar geral a R$2 é só pra aparecer mesmo e ser solidário, porque ninguém vai de geral. Eu trabalho em na gerência de uma agência e sei muito bem que se colocarmos algo barato quando a pessoa chega lá e vê algo mais caro, pela empolgação ela compra o outro.

        Como o André disse, referi a “vocês” aos donos do blog… E não tem muito dessas de escolher entre libertadores e mineiro, mesmo porque nossa torcida é maior que dos galináceos e se coloca mais de 40 mil em jogo de libertadores 19:30… não tem desculpa pra não ir fim de semana em jogos do mineiro…

        O pornto é que imprensa brasileira já instituiu times de massa e não massa, de modinha e infelizmente estamos nesse último, enquanto para o atlético foi criado a emoção, agora aguente… somos mais vitoriosos, se o atlético continuar assim dentro de 10 anos será time de categoria B para o cenário brasileiro como Guarani, Ponte Preta, Náutico, etc…

        Abs

      • imprensamineira Says:

        Discordo de quase tudo mas respeito seu ponto de vista e principalmente seu direito de expô-lo aqui.

      • imprensamineira Says:

        Que fique claro que minha discordância é com o que o Antonio Ferreira Disse em 10/06/2009 às 02:02.

      • Robson Tovarish Says:

        O QUE POSSO FAZER?

        Se existe um grande clube na cidade.
        Organizado, referência mundial e nacional, “fábrica” de craques que carrega no peito o maior símbolo da pátria brasileira.

        Que mora dentro do meu coração, está emaranhado e contorcido em volta das minhas aurículas, por me dar tantas alegrias, glorias e títulos.

        Eu vivo cheio de vaidade, com consciência que sou parte de uma grande nação, que luta bravamente em busca da paz e de um céu cada vez mais azul.

        É sim! Na realidade em grande campeão, que desde 1921 vem espalhando a arte de jogar futebol mundo afora, graças à brilhante idéia da colônia Italiana.

        Não só nos gramados de Minas Gerais, mas em tantos outros pelo mundo temos páginas heróicas e imortais.

        Cruzeiro, torcemos por ti, porque sabemos que o passado, o presente e o futuro não estão sendo confiscado de nós.

        Cruzeiro querido, apenas agradecemos por termos conhecido o clube do nosso coração, que gera um sentimento intenso e nos faz felizes, que é tão combatido jamais vencido.

    • imprensamineira Says:

      Existem vários blogs por aí, Antonio. Busque um que lhe agrade. Este tem um objetivo claro e específico, quer vc goste ou não. Trata-se de observar e debater a imprensa mineira esportiva. Se este tema não for de seu gosto, procure outro local. Sem ressentimentos. Ah, e o público do Cruzeiro ontem, se não foi ótimo, foi o 2º maior da rodada! E com preço de ingresso e não preço de uma mariola como o do nosso rival (?) de Vespasiano = Ingresso de R$2,00 e meia de R$1,00.

  10. Anônimo Says:

    Essa briga com os Diários Associados parece coisa da Rede Globo…

  11. GUTO Says:

    Tenho informação que aquele tal e ivan dumont é Gay, depois darei mais detalhes…

    • Robson Tovarish Says:

      Sr. Guto.

      Isso é discriminação. Eu como leitor repudio qualquer ato de apologia, discrminação ou afensa a moral de a qualquer pessoa.

      • imprensamineira Says:

        Também não sou afeito a discriminação, mas estou curioso aguardando mais detalhes… ehehehehee

      • GUTEMBERG Says:

        Robson,
        não estou discriminando, só estou informando.
        se vc for gay e eu lhe chamar de gay, isso é ofensa ? Abraço.

  12. Oliveira Ferreira Says:

    Antonio Ferreira, recomendo o Cruzeiro.org, lá tem discussões acaloradas sobre o tema que você quer e tem uma galera legal também.

  13. Andre Ponte Preta Says:

    Vou tocar novamente no ponto sobre os ingressos.

    Não interessa quem faz isso, se é o Cruzeiro, o Atlético, ou o Quixeramobim Esporte Clube. Acho uma maldade forçar o torcedor a aderir a planos de fidelidade, porque esperar que o trabalhador que ganha salário mínimo disponha de R$ 50 por mês em favor do time, chega a ser um absurdo.

    O torcedor mineiro vai precisar de muito aumento de salário pra continuar vendo o futebol de perto, porque parece que a coisa ainda vai piorar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: