Archive for julho \25\UTC 2009

Conquiste a paz?

25/07/2009

“Conquiste a Paz”

Essa talvez tenha sido a maior falácia da imprensa mineira nos últimos tempos. Como é possível buscar a paz se na primeira oportunidade o sinal verde para a guerra entre torcidas é aceso? Se o objetivo é realmente promover a paz, qual é o saldo em incitar ainda mais a rivalidade entre Cruzeiro e atlético?

O que dizer do comportamento dos dirigentes galináceos no jogo entre atlético e São Paulo, quando fizeram que sua mascote – a galinha gorda – adentrasse na relva do Mineirão portando uma bandeira do Estudiantes de La Plata?

Definitivamente, isso não foi um desrespeito. Foi um desabafo. Foi uma forma de extravasar toda a comemoração que há mais de dois anos está presa na garganta de cada simpatizante do timeco de vespasiano. Nossa derrota na Libertadores fez com que as galinhas vomitassem o chopp centenário com gosto de urina (e sem contar que nem no ano seguinte foi permitido o revés).

Vangloriar-se dos louros alheios é válvula de escape desses medíocres e eu sinceramente não os culpo por isso. Afinal de contas, de que outra forma poderia ser comemorado um título de Libertadores do lado de lá? Por méritos próprios? Sem chance…

O que restou de negativo em tudo isso foi o papel da “grande” imprensa de Belo Horizonte, que avalizou toda essa euforia e que, por detrás das câmeras, também alfinetou o grande Cruzeiro Esporte Clube, cujas glórias e títulos ultrapassam os limites das Minas Gerais. Impensadamente, fez acirrar ainda mais a rivalidade entre torcidas. Convidou cada integrante da nação azul a odiar ainda mais o time do cais seco. A imprensa segundina agiu dessa forma para tentar trazer de volta uma rivalidade que há muito tempo deixou de existir. A que custo?

O fato é que ganhar duas Libertadores, Quatro Copas do Brasil, Duas Supercopas, Dois Campeonatos Brasileiros e tantos outros títulos demanda estrutura, planejamento e dirigentes preparados. Levar o nome de Belo Horizonte e de Minas Gerais para fora do país é mérito exclusivamente azul e branco. Isso tem que ser levado em conta sempre. Não é um boquirroto, despreparado, falastrão, que dirige seu time da arquibancada com o apoio da mídia que porá a prova toda a tradição do Cruzeiro Esporte Clube. Como diz meu grande amigo Lautner: “Os cães ladram e a caravana passa”.

Acho que já passou da hora de rever conceitos. Principalmente por parte daqueles que se dizem jornalistas(?) (im)parciais…

Texto muito bem escrito e postado por Luiz Otávio em 25.07.09.

A vitoria do derrotado – para quem ainda quiser falar da Libertadores 2009

23/07/2009

“Errei mais de nove mil arremessos na minha carreira. Perdi mais de 300 jogos. Em 26 ocasiões, acreditaram que eu ganharia o jogo no arremesso decisivo e errei. Fracassei, fracassei muito na minha vida. E é por isso que eu sou um vencedor.”
Sabem de quem é essa frase? Ninguém menos do que Michael Jordan, considerado o melhor jogador de basquete de todos os tempos. Hoje, cada vez mais, as derrotas vão fazer parte da rotina de todos, seja no esporte ou no jogo real da vida.

Um time campeão sabe disso. Ele não gosta de perder, mas tem sangue-frio suficiente para não entrar em desespero nos momentos mais difíceis. Ao contrário, tem sabedoria para aprender com os erros e, principalmente, não jogar as responsabilidades sobre outras pessoas ou qualquer motivo que sirva de justificativa para seu fracasso temporário. O verdadeiro campeão sabe ser tão grande nas derrotas quanto nas vitórias. Não abaixa a cabeça com os erros e entende que eles fazem parte do jogo.

Tudo isso é importante para que se faça uma reflexão: chega de fazer drama quando se perde uma partida, um negócio, um cliente ou um bem material! Não estou dizendo para comemorarmos derrotas, mas para sermos mais compreensivos com elas, aprender com as dificuldades e torná-las fontes de motivação para novas vitórias e conquistas, está escrito na nossa história e os louros expostos no nosso “arsenal” de trofeus.

No currículo de um vencedor, com certeza encontraremos algumas derrotas, assim como algumas vitórias também farão parte da vida de um fracassado. O triste da vida não é ter problemas ou derrotas. O triste da vida é ser medíocre. É não errar pelo simples fato de nunca ter tentado, nunca ter ousado. Todos nós estamos em constante disputa. E aqui vale a sábia lição expressa na frase síntese do ideal olímpico: “O importante é competir”. Somente serão vencedores os que souberem competir, ou seja, os que tiverem capacidade de extrair lições de suas derrotas, pois sabem que elas serão temporárias. Os que se abatem com as derrotas nunca terão condições psicológicas e emocionais para dar a volta por cima.

Nunca confunda derrotas com fracasso, nem vitórias com sucesso. Na vida de um campeão vão acontecer derrotas da mesma forma que na carreira de um perdedor vão ter algumas vitórias. A diferença é que o campeão é humilde nas derrotas e tem a coragem de enfrentá-las. O pior na vida não é perder, mas sim não ter a coragem de ousar! Talvez nesse momento da sua vida, você esteja curtindo a dor de uma derrota. Lembre-se de aprender as lições dessa dificuldade para mobilizar a sua força interior e renascer das cinzas para novos vôos e vitórias e isso companheiros o nosso Cruzeiro tem de sobra

Texto de Roberto Shinyashiki – adaptação: Robson Tovarish

Parece que até o Zezé Perrela cansou…

23/07/2009

O presidente do Cruzeiro, Zezé Perrella ligou para a rádio Itatiaia no programa bastidores nesta terça-feira (21) e desmentiu veementemente as palavras do repórter da Rádio Itatiaia, Arthur Morais, quando o mesmo noticiou a saída do treinador Adilson Batista e a chegada de Murici Ramalho. Segundo Zezé Perrella, “O senhor Arthur Morais está tentando tumultuar a vida aqui no Cruzeiro, eu nunca conversei com o Murici e eu não admito esse comportamento.

Ele vende e traz jogadores e fala abertamente que não gosta do nosso treinador, com todo respeito que eu tenho pela imprensa fica difícil admitir um comportamento desses e não é a primeira vez”, desabafou o presidente.

Aí está companheiros a deixa para que este movimento ganhe um aliado de peso. O presidente do Cruzeiro deixou bem claro que sua paciência acabou. Chegou a hora de equiparmos com todas as “armas” na forma de dados e emitirmos ao presidente Zezé, inclusive com os níveis de audiência e frequência deste blog.

Saudações Azuis

Texto de Robson Tovarish

TV Globo nos preterindo mais uma vez… Nada de novo!

07/07/2009

Recebi, reenviado por um conhecido, um email originalmente enviado pelo Walfrido. Achei interessante e resolvi abordar este tema, mesmo não se tratando especificamente da imprensa MINEIRA, pois neste caso é a Globo Nacional. Mas vale o debate. Até porque agente defende tanto a Globo CBN que gostaríamos de ver o que o Pequetito, o Marra, o Guiotti têm a dizer sobre isso.

“Paulinho, vc me ligou indignado com a Globo. Todos estamos.

Me pergunto se o Banco Santander e demais anunciantes ligados a Copa Libertadores também não estariam. Me pergunto o que poderíamos fazer. Quem sabe enviar emails a globo? Muitos. Milhares. Será que somos capazes de nos mobilizarmos. Eu acho que não. Vc conhece, e muitos aqui copiados também, o Evandro. Pois ele tem uma tese interessante de que se entupirmos os emails da Globo ou de qualquer um, a primeira coisa que eles farão é desqualificar as reclamações dizendo que são de arruaceiros, torcidas organizadas e tal. Evandrão só não explicou melhor qual a idéia dele. Sei que ele tenta organizar um movimento entre torcedores de diversos times para debater temas como esse. Não conheço o movimento mas imagino a dor de cabeça que é.

O que fazer? Alguém tem alguma idéia? Por enquanto apenas copio abaixo uma boa coluna do Wilson que tá lá no Cruzeiro.org e sugiro que quem se sentir indignado um local que quem sabe pode ajudar a buscar alternativas é o site do imprensamineira.org

Fora isso só nos resta torcer para nosso Cruzeiro, o de Belo Horizonte, pois até mesmo em MG há rincões não atendidos pela poderosa Vênus de Prata.

Abraços quase, bem perto, a um passo, do TRI da Libertadores. Eu acredito, e MUITO.

Walfrido Zeeeeeeeeeeeeeeeeirooooooooooooooooooo”

Belos e Curtos Horizontes

http://cruzeiro.org/coluna.php?id=1100

A cada filme bom eu me indignava com o tempo perdido, com a estreiteza do meu horizonte global, e sentia um desejo íntimo de socar o bucho da emissora

Cruzeiro e Estudiantes farão o melhor e maior jogo do futebol brasileiro em 2009. É final de Libertadores, o maior torneio de futebol das Américas, na minha opinião o melhor de clubes do mundo. Envolverá Brasil e Argentina, duas das principais escolas de futebol do planeta. Cruzeiro e Estudiantes, juntos, têm cinco títulos de Libertadores. Será o jogo do confronto da garra, técnica e habilidade de Kléber e Véron. Será a despedida do mais celebrado jogador atuando no Brasil nos últimos dois anos, Ramires. E a Globo vai transmitir Corinthians x Fluminense para SP e RJ.

O fato gerou surpresa e até indignação para muitos cruzeirenses, em especial aos residentes nas praças onde não será transmitido o jogo do Cruzeiro. No entanto, não há motivo para surpresa. Primeiro que isso já ocorreu em 1997. Segundo que a Globo sempre criou o seu – e a reboque o nosso – universo paralelo. Explico:

Certa feita, andando pelos corredores do Senado, deparei-me com um cartaz da embaixada francesa que anunciava a exibição de filmes no auditório da casa durante todo o mês. Resolvi arriscar. Não me lembro de ter me divertido tanto com um filme, o excelente “Le Bonheur est dans le pré”, Enganar é Viver na tradução. Saí do auditório me perguntando porque filme tão bom nunca passou na televisão. Tolinho… Descobri em Brasília uma sala de cinema alternativo (no Brasil é alternativo) e embriaguei-me de filme espanhol, alemão, iraniano e, por que não, alguns americanos que não passam na Tela Quente. A cada filme bom eu me indignava com o tempo perdido, com a estreiteza do meu horizonte global, e sentia um desejo íntimo de socar o bucho da emissora.

O joguinho entre Corinthians e Fluminense é uma faceta mais visível da realidade que abordei com os filmes. O melhor do futebol tá rolando no mundo real, mas a Globo em seu universo paralelo vê outra coisa. Como em novela das oito que adota o Rio de cenário (a maioria), pintando uma cidade de boa vida e um subúrbio de felicidade. Nas transmissões de jogos de times do Rio, o som da torcida é mais limpo que o do aparelho aqui de casa, parece 5.1 surround, sem contar a legenda nos cantos. Eu não compro mais tanta porcaria.

Comecei há alguns anos, resolvendo meu problema de astral no domingo à noite. A musiquinha do fantástico era a sétima trombeta do apocalipse anunciando a segunda-feira. Troquei a TV por um jantar com a família, uma conversa na varanda, um passeio na praça ou um filme sem explosões no cinema. E não espere que eu vá defender outra TV aberta; é tudo ruim, uma vende o Rio, as outras vendem São Paulo ainda mais descaradamente.

O curioso é que isso produz caipiras cariocas e paulistas, povos ignorantes de Brasil tanto quanto americanos interioranos são de mundo. Carioca apela quando os Simpsons incluem sucuris no cenário carioca, mas por outro lado chama todos nordestinos de paraíba. No lado paulista, Alckmin defende em campanha presidencial um choque de gestão e perde votos de cidadãos de rincões brasileiros temerosos dos 220V – eu ouvi relatos. Ignorantes de Brasil.

Como eu não quero salvar o mundo nem promover boicotes, vou torcer para o Cruzeiro do Brasil e de Belo Horizonte enquanto os demais curtem seus curtos horizontes.

Wilson Flávio
wilsonflavio@cruzeiro.org

A razão, a cobrança e o risco

05/07/2009

Segue texto do Paulo SRita, que resume com muita propriedade a situação que vivemos em MG:

“A necessidade de uma imprensa séria é do torcedor Mineiro. Cruzeirenses, atleticanos, americanos (todas as torcidas) e todos que acompanham o futebol do nosso estado, precisam de informações mais serias sobre o esporte em Minas. Não concordo com alguns comentários dizendo que seria mais fácil parar de assistir os programas e rádios. A questão é que não é um protesto contra os meios de comunicação. O que queremos é o direito de ter a informação verdadeira e transparente. O problema maior é esse mesmo, uma carência de uma imprensa que joga com nós consumidores e com a verdade. Nós torcedores precisamos de veículos de comunicação e isso é nosso direito e cabe a nós decidirmos o que realmente é melhor. A maioria sempre define as regras, e se depender de nós, Cruzeirenses integrantes da maior de minas, isso mudara logo!”

E também belo texto do Robson Tovarish que reforça o exposto acima, e nos “cobra” uma postura mais aberta nas cobranças, mostrando a cara para eventuais discussões:

“Um movimento democrático como esse, tem que ter na suas bases, os mais respaldados e lícitos ideais de ações democráticas. O alvo não é os meios de comunicação e sim o direito de resposta. Os dois lados têm direitos e deveres. Queremos pautas mais justas e verdadeiras para o jornalismo esportivo, isso leva a crer aos olhos da comunidade que uma das partes está sendo menosprezada.

O movimento cruzeirense, como aqui se nomeia, tem o direito constitucional de ser bem informado, mas, o que é ser bem informado? Quais os direitos e deveres do movimento? Quais os direitos e deveres dos órgãos de imprensa? O movimento cruzeirense se guarda no direito constitucional de falar, escrever e protestar o que quiser. Os veículos de comunicação têm o direito constitucional de falarem, escreverem e mostrarem o que quiserem. O que não se pode, e é inadmissível, pelas leis brasileiras, é fazer apologia ao crime de falsa ideologia, ofensas morais e incitação a violência. Cabeça foi feita para pensar.

Parem com essa “Birra” e se organizem. Somente assim as fileiras do movimento vão estar mais recheadas de valores importantes, que sem dúvida vão pesar muito na balança, quanto precisarmos SENTAR A MESA e reivindicarmos os direitos LÍCITOS da torcida cruzeirense. Lembrem-se, os dois lados têm direitos e deveres.”

Robson, sua sensatez e envolvimento lhe permitem nos cobrar. Já debatemos esse tema superficialmente e entendo sua posição. Fato é que os organizadores deste movimento são todos profissionais e pais de família que temem bater de frente com órgãos de imprensa que dominam o estado. Muitos são empresários que podem ter suas empresas prejudicadas por ações da mídia. Eles são capazes de tudo. Infelizmente ainda não temos uma organização suficientemente forte para tomar este risco. Vamos continuar debatendo e avaliando caso a caso. Continuamos contando com sua imensa colaboração neste espaço. Suas cobranças e críticas são sempre bem vindas.

Êta Asquerosa Esporte que não aprende…

01/07/2009

O Sr Leopoldo, apresentador do AE, não aprende mesmo. Divulgou em seu ‘democrático’ blog mais uma máscara do que é realmente o time do gaylo. Tem coragem de colocar a culpa da derrota na arbitragem que mais uma vez deu um penalti de presente para o gaylo. Nada falou sobre a grande vitoria dos garotos do Cruzeiro que não mostraram uma grande tecnica mas desempenharam uma atuação a base da vontade e determinação. Continuo insatisfeito com o AE e na minha opinião devia sair do ar o mais rapido possivel… precisamos de uma reciclagem nessa imprensa que se caracteriza torcedora.
Fora ‘jornalistas’ que trabalham com a mentira!!
A revolução começa agora!!

Texto do torcedor, telespectador e comentarista Paulo Santa Rita.